adrika.com.br

Vida de gateira
04 de agosto de 2014
 .

Um ano sem você…

Um ano atrás eu tive a maior dor que eu já tinha sentido na minha vida, maior do que qualquer dor física, a dor da perda.

Adotamos a Emma em 17 de Julho de 2007. Renato à viu em um dia frio dentro de uma gaiola em uma casa de ração e levou ela pra casa, a gente imagina que ela deveria ter no máximo 2 meses, aquela bolinha de pelos sialatinha da carinha preta preencheu nosso coração de amor e o Rê colocou o nome dela da Emma (Ele é fã de Friends e Emma é a filha da Rachel com o Ross) <3

O tempo passou e adotamos o Charlie, os dois tinham mais ou menos 1 ano de diferença, ela cuidou dele como se fosse um filho e os dois viraram inseparáveis. Em Agosto de 2012 nos mudamos pra nosso apartamento, e finalmente nossa família estava completa...

Ela era MUITO pestinha, tanto que apelidei de Emma Espoleta. Adorava se enfiar debaixo dos cobertores, era "dada", amava visitas e dormia com elas, ficava louca com ratinhos de pelúcia, adorava brincar de correr atrás do Charlie. Extremamente louca por patêzinhos, todo dia quando chegava do trabalho ela miava pedindo pra mim =')

Até que no começo de Agosto de 2013 notamos que ela estava emagrecendo rapidamente e bebendo muita água e levamos ela ao nosso veterinário de confiança e lá ele disse que poderia ser algum problema renal e nos pediu uma bateria de exames. Mas no final de semana ela estava extremamente fraca e quase não abria os olhinhos então corremos de madrugada para uma clínica 24 horas e lá ela ficou internada. Os exames saíram no outro dia e as taxas dela de ureia e creatinina eram altíssimas e ficou comprovado a insuficiência renal :( Eu só repetia pra mim, ela vai ficar boa, vai dar tudo certo! Mas a veterinária nos avisou que ela tinha aquela noite pra reagir, e se sobrevivesse, teria que ser aplicado soro subcutâneo pelo resto da vida… Quando a vi, ela estava fraquinha, fiz carinho nela dentro da gaiolinha e disse pra ela que ia ficar tudo bem e pra ela ficar em paz, ela ainda teve forças de levantar, miar pra mim, me dar “cabeçada”, logo depois voltou a dormir… No outro dia de manhã recebemos o telefonema avisando que ela tinha entrado em coma de madrugada e partido, então compreendi que na tarde anterior ela tinha se despedido de mim :( Emma atravessou o arco-íris e virou estrelinha no dia 20 de Agosto de 2013, com 6 anos e um ano depois que nos mudamos pro nosso apartamento.

Fiquei dias mal, não conseguia comer, não fui trabalhar, basicamente eu só chorava. O momento mais difícil foi voltar pra casa com a caixinha dela vazia, só com a coleira dela… Charlie ficou MUITO mal, os miados dele eram extremamente triste, de madrugada ele saía procurando ela pelos cômodos, até que um dia ele percebeu que ela não voltaria, a depressão dele foi tanta que tivemos que adotar outra gatinha correndo, nem estava nos nossos planos pegar outra tão cedo mas duas semanas depois adoramos a Sophie.

Às vezes me sinto culpada, fico pensando, e se eu tivesse levado ela antes no veterinário, e se tivesse feito uma bateria de exames antes… Mas o veterinário tentou me confortar dizendo que essa doença é extremamente cruel e rápida. Tanto que umas semanas antes ela estava maravilhosamente bem… Às vezes penso que foi o melhor do que ter que aplicar soro nela todos os dias, seria um sofrimento e só prolongaria no máximo por alguns anos a vida dela. Então fica a dica amigas gateiras, se seu animalzinho perder peso ou estiver bebendo muita água, não pense duas vezes e corra pra um veterinário!

Na época apaguei fotos dela de todas as Redes Sociais e não, eu não queria “apagar” ela da minha vida, o que eu senti e sinto por ela nunca será apagado, mas ver as fotos dela fazia minha dor ficar maior e só agora, depois de quase um ano de sua partida, consegui escrever esse post…

Sinto falta dela dormindo de madrugada nas minhas costas ou na minha barriga, sinto falta dela me aquecendo, sinto falta dela correndo quando escutava eu abrindo o pacote de chocolate, do olhar doce dela, dos seus olhos azuis, da sua peraltice… Mas entendi que a missão dela conosco e a nossa com ela tinha terminado. Tenho certeza que ela foi muito feliz ao nosso lado, e cuidamos dela da melhor maneira possível! Te amarei pra sempre, minha doidinha <3

Escrito por: Dri
19 comentários
23 de maio de 2014
 .

Meu gato metódico

Charlie veio pra gente com apenas 3 meses. Os “ex-donos” ficaram grávidos e decidiram doá-lo, quando vi a foto, foi amor a primeira vista e assim começou a nossa jornada juntos.

Filhotinho / Momento “escovinha”

Fui até a Avenida Paulista buscá-lo em um petshop, coloquei ele na caixinha e voltei de ônibus, meu bebê todo pequenino, quietinho, observando tudo. Chegando em casa levei ele pra dar banho e de noite fomos pra casa da minha sogra. Lá ele conheceu nossa gatinha que já atravessou a arco-íris (Emma) e na mesma hora já queria ser o melhor amigo dela!

Brisando! / Bebendo água

Nesses anos que ele ficou com o Renato e minha sogra, não tínhamos muito contato com ele (a casa é bem grande), raras às vezes que ele entrava no quarto do Renato. Chegava visita e ele logo se escondia, pra fazer carinho ele se encolhia todo, eu nunca forcei ele a nada e assim eu respeitava o espaço dele.
Até que chegou o grande dia, o da mudança pro nosso apartamento! E aí sim posso dizer que aprendi conviver e entender o Charlie. A primeira semana foi extremamente sofrível, eu vivia igual um zumbi por ele miar a madrugada toda, até pesquisar e entender que não poderia ter soltado ele no apartamento todo e sim ir adaptando aos poucos, soltando algumas horas do dia pra conhecer a casa nova. Depois de uma semana ele já estava totalmente adaptado!

Descansando na varanda / Esperando a gente na porta

Aprendi a compreender os sinais dele e aprendi também que ele não era só um gatinho com carinha marrenta e medroso, ao contrário, é um gato extremamente amoroso e carente!

Toda manhã ele acorda conosco e fica na porta do banheiro esperando o Renato sair pra receber um carinho :) Depois trocamos a ração/água antes de irmos trabalhar e ele corre pra porta, parece que esperou a manhã toda pelo momento em que poderá dar uma espiada no hall. Depois toma seu banho de sol matinal e creio que durma a tarde toda.

Banho de sol :)

No finalzinho da noite espera a gente chegar do trabalho em pé na porta (e sim, se a gente demorar ele fica bravo!), quando chegamos ele mia e conversa horrores, já saí todo feliz e corre pra varanda (por que lá a gente escova ele), então esse momento apelidamos de “escovinha”, se ele corre feliz pra varanda é que ele quer “escovinha”, e sim, ele só “aquieta” depois desse momento!

Soneca da tarde com a Sophie!

Charlie só gosta da ração sabor Frango – Gatos adultos da PremieR. Você pode dar o sabor Frango – Gatos castrados, Frango – Gatos adultos com pelos longos, ele vai cheirar e ignorar, ele só vai comer o tal do Frango – Gatos adultos! Depois disso ele vai correr pra pia do banheiro, olhar pra mim, e miar pedindo água fresca! Também gosta de correr pra varanda quando o caminhão do lixo passo de noite, ele adora olhar todo o movimento lá embaixo, queria entender o que ele pensa rs.

Na hora de dormir, ele sobe na cama, mia, ronrona horrores, desce pra comer ração, volta pra cama e deita no criado mudo, e assim fica a madrugada toda “zelando” o nosso sono.

Nosso companheiro :)

Com o tempo e com o apartamento pequeno ele aprendeu conviver com as pessoas, não corre mais e aceita carinho das visitas e eu pude perceber o quanto meu gatão é companheiro e amoroso. Sofreu junto com a gente a perda da Emminha, andava pelos cômodos miando triste atrás dela, cheirava as coisas dela, até que um dia ele percebeu que ela não voltaria mais, mas chegamos com uma gata amarela doidinha chamada Sophie aonde ele acolheu com todo amor e até “deu de mamá” e hoje é um grande irmão pra ela.

Conselhos do velho irmão…

Charlie conversador:

Charlie é metódico? Sim! É “fresquinho”? Sim! Mas eu o amo por isso mesmo e só posso agradecer por ter esse gatão em minha vida <3

Escrito por: Dri
65 comentários